CHAFARIZ - GENERAL OSÓRIO

Por que secou?

Após anos de descaso, prefeitura promete reformar e ligar a água em 35 chafarizes até junho

O Globo

RIO - A beleza dos chafarizes da cidade está apagada pela falta de um item nada menos do que essencial para esse tipo de monumento: água. Para piorar, folhas, copos de plástico, guimbas de cigarro e outros detritos ocupam obras como o Chafariz das Saracuras, na Praça General Osório, em Ipanema; a Fontes dos Amores, no Passeio Público, no Centro; e o Chafariz da Praça XV. Todos eles assinados por Mestre Valentim. A dança das águas também abandonou os chafarizes das praças Paris, na Glória, e da Afonso Vizeu, no Alto da Boa Vista. É o que mostra reportagem de Jacqueline Costa no O GLOBO deste domingo.

Vera Dias, da subgerência de monumentos e chafarizes da Fundação Parques e Jardins, informa que, até junho, 35 chafarizes da cidade passarão por restauração e terão os sistemas hidráulicos religados. No total, serão gastos R$ 890 mil para colocá-los e mantê-los em funcionamento. Entre eles, está o Chafariz das Saracuras, cuja tubulação foi rompida pelas raízes das árvores, e o da Praça Paris. Os monumentos do Largo do Machado e das praças General Tibúrcio, na Praia Vermelha, Santos Dumont, na Gávea, e Xavier de Brito, na Tijuca, também voltarão a jorrar água
O Chafariz das Saracuras foi reinaugurado em julho de 2008, depois de nada menos do que oito meses de restauração. Depois de tanta atenção, o monumento - que, com o fim do restauro chegou a ganhar peixes da espécie barrigudinho, para evitar a proliferação de larvas de mosquitos - vive tristes dias, com sujeira por toda a parte e completamente seco. Orçadas em R$ 180 mil, as obras ficaram a cargo da Fundação Parques e Jardins, e foram custeadas pela Rio Trilhos, como contrapartida pela ocupação da praça com um canteiro de obras do metrô. Inicialmente, a peça, de 1795, pertencia ao Convento da Ajuda, no Centro, e era utilizada pelas freiras para lavar roupas e louças. Transferido para Ipanema em 1917, seis anos depois de o convento ser demolido, o chafariz foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional em 1938
Protestos pela melhor conservação dos chafarizes

Para protestar contra a secura em que se encontram os monumentos, na semana passada, integrantes do coletivo Líquida Ação saíram pela cidade fazendo performances nos monumentos para o projeto Mitologias Urbanas: Águas Férteis. Gente de teatro, música, moda, cinema, vídeo, artes visuais e dança $a atenção de quem passava pelos três chafarizes escolhidos para representar os 106 que a cidade tem. Na quinta-feira, o grupo levou água do Paço Imperial até o monumento do Mestre Valentim, na Praça XV. Na sexta, a Fonte do Amores, no Passeio Público, foi palco para um banho público com direito a dança de acasalamento. Ontem, baldes coloridos levaram água da Praia de Ipanema até o Chafariz das Saracuras.

Nenhum comentário: