PRAÇA NOSSA SENHORA DA PAZ


EDGAR CATOIRA

A A Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, possui 113 árvores, sendo que algumas delas são centenárias Foto: Os Rúpias

Foi-se o tempo em que governantes davam ouvidos e crédito à opinião pública, além do interesse nas pesquisas pré-eleitorais, essenciais para chegarem ao poder. Quando são candidatos, dizem o que o povo quer ouvir. Empossados, dão-lhe as costas e fazem o que querem.

Caso emblemático, sobre o qual já protestei em outro artigo, é o da forma como se pretende expandir o Metrô do Rio rumo à Barra da Tijuca, num compromisso assumido com o Comitê Olímpico Internacional, mas não com os maiores interessados, os cariocas.

Pois bem, os moradores do Rio, Ipanema em particular, não querem a destruição da tradicional e maravilhosa Praça Nossa Senhora da Paz. Antes de qualquer tipo de estação do metrô, o carioca quer paz e manter o ambiente local tal como é, sob o argumento simples, mas poderoso, de que não se mexe em time que está ganhando. Afinal, um levantamento mostra que a praça possui 113 árvores, algumas frondosas e mais que centenárias, que deverão ser retiradas para a construção da estação de metrô. Estação que – repito – ninguém quer ali, fora o governador Sergio Cabral, que age como um moderno Átila, o rei dos hunos, e não deixa grama, muito menos árvores, por onde passa.

A propósito das discussões a respeito da localização dessa rejeitada estação, a vereadora Sônia Rabello, do PV, escreveu, com lucidez transparente de quem ama a cidade: “Em seu trajeto atual, o Metrô do Rio está circunscrito à Cidade do Rio de Janeiro. No entanto, em audiência pública, (13/02), realizada na quadra da Rocinha, para apresentação do Relatório de Impacto Ambiental da chamada Linha 4, não havia nenhum representante da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Um espanto!”

Nenhum comentário: