RESPOSTA À AMIPANEMA


Sra.Maria Amélia, Presidente da Amipanema,
Sou Conselheira da Associação de Moradores Recanto de Ipanema / AMORI , que reune residentes das ruas Almte.Sadock de Sá/parte e Desembargador Renato Tavares.A AMORI foi criada há doze anos e aliou-se, em parceria , ao PSI/Projeto de Segurança de Ipanema, grupo que realmente tem se envolvido com questões que afetam o bairro e seus moradores.Minha família está estabelecida em Ipanema , desde 1941.Setenta e um anos não são pouca coisa.Os moradores de Ipanema merecem respeito ! Seguem,abaixo, meus comentários sobre sua resposta inadequada  :
Lamentável sua resposta destinada à Sra.Ligia Rodrigues,  moradora de Ipanema , indignada - como a grande maioria do bairro e quiçá da cidade, pelo que concluimos das cerca de dez mil assinaturas coletadas - sobre a destruição(*) da Praça Nossa Senhora da Paz, incluindo 113 árvores, algumas espécies em extinção, em nome de alegado " progresso ", com a construção de estação de metrô naquele local.
  
Lamentável , porquanto é entendido que uma presidente de associação de moradores tenha elementos suficientes para discutí-los e não atacar aqueles que diferem de sua opinião particular.Chamá-los de  " turma do atraso ", repetindo o infeliz jornalista da matéria da Veja, em outubro/2011 mostra no mínimo, falta de sensibilidade e de delicadeza muito grandes além de demonstrar autoritarismo e desprezo pela opinião alheia, além de despreparo e falta de conhecimento, sobretudo.Algumas qualidades são imprescindíveis para o ocupante de uma função que lida com conjunto de pessoas e suas opiniões diversas. 
De outubro/2011 para cá muito tem sido divulgado na mídia.Uma Audiência Publica foi realizada em 27 de fevereiro de 2012, oportunidade em que o Promotor
Carlos Frederico Saturnino contestou e pôs por terra todos os argumentos apresentados pelos representantes do  Governo do Estado.Brilhante - foi aplaudidíssimo por toda audiência e ratificado por políticos presentes, de partidos diversos e técnicos entendidos no assunto - concluiu que aquele estudo , que este traçado que querem levar adiante, covardemente e contra o projeto original - é
" imprestável " ( palavras do próprio ) !
Até segunda ordem, vivemos em uma democracia.Pessoas podem se manifestar pró
ou contra, mas preferencialmente aqueles bem fundamentados e tratando as diferenças com elegância , como convém a uma sociedade bem educada e cônscia de seus deveres e direitos de cidadão.
    
A senhora parece estar muito desinformada, calcada somente em uma linha de raciocínio, não procurando se inteirar de todos os elementos que envolvem a matéria e sobre a viabilidade desse projeto .Sugiro solicitar cópia daquela audiência, já que tudo foi gravado em vídeo e áudio.Aproveite e mande uma cópia para o jornalista da Veja.Dessa forma poderiam avaliar melhor suas posições.
De minha parte e do grupo solidário às mesmas idéias , continuaremos lutando.Se não conseguirmos , restará o Tempo - Senhor da Razão.Oxalá exista, no meio do caminho, uma " cachoeira " levando para bem longe esse projeto e poupando a nossa Praça NSPaz e o dinheirão do contribuinte, desperdiçado inutilmente .À propósito , a senhora sabe que no projeto original ( mais econômico ) os mesmos estudantes e trabalhadores , mencionados em seu e-mail , seriam atendidos ? Até mais , pois Botafogo, bairro com uma unica estação, tem 128 ruas, 118 estabelecimentos ligados à saúde ( laboratórios, Clínicas, consultórios, hospitais ) e 98 escolas/colégios; grandes empresas como Furnas, IBM para citar apenas duas e muitos prédios de escritórios comerciais na praia de Botafogo e Rio Sul ?
Ipanema não chega nem perto desses numeros.Que mistério, que grande segredo envolve essa obstinação...
Atenciosamente,
M.G Fabor
(*) O fechamento da praça representa destruição ,sim.Destruição de tudo nela contido, destruição do laser e convivência de idosos, cadeirantes e crianças, principalmente, já que é a unica Praça do bairro. com características especiais.   

Um comentário:

Anônimo disse...

Meu apoio. Concordo completamente e fica a pergunta: a quem interessa a destruição do nosso bairro?