METRÔ




Moradores de Ipanema fazem ato em Laranjeiras em defesa de praça

Prefeitura nega que destombamento seja votado por Conselho de Patrimônio


A Praça Nossa Senhora da Paz: grupo não quer estação do metrô
Foto: Simone Marinho/2-5-2012 / O Globo
A Praça Nossa Senhora da Paz: grupo não quer estação do metrôSIMONE MARINHO/2-5-2012 / O GLOBO
RIO - Moradores de Ipanema vão fazer uma manifestação nesta quinta-feira, às 15h, em frente à sede Conselho Municipal do Patrimônio Cultural, na Rua Gago Coutinho 52, em Laranjeiras, com o objetivo de impedir uma suposta votação para o destombamento da Praça Nossa Senhora da Paz. A prefeitura, no entanto, nega que o destombamento esteja em pauta. Apesar disso, o grupo decidiu manter a mobilização.
O protesto foi convocado pelo Projeto de Segurança de Ipanema — que reúne diversas associações de moradores da Zona Sul contrárias ao projeto que prevê a derrubada de 130 árvores centenárias da praça para a construção de uma estação da Linha 4 do metrô. O grupo já reuniu 14 mil nomes num abaixo-assinado, pedindo a preservação do lugar.
— A praça é um patrimônio do bairro. É absurdo que a construção de uma estação comprometa a cobertura verde do lugar. Aquela área é o quintal das nossas crianças. Ontem (segunda-feira), recebemos a informação de que, na tarde desta quinta-feira, o conselho votaria pelo destombamento da praça. Aquela área foi tombada por decreto municipal. O prefeito precisa do aval do conselho para derrubar o decreto — disse Inês Barreto, coordenadora do Projeto Segurança de Ipanema.
Inês enfatizou que o grupo não é contrário ao metrô no bairro, mas teme a descaracterização da praça com a construção das saídas sugeridas no projeto.
— As saídas serão localizadas ao lado dos dois portões centrais, na Visconde de Pirajá e na Barão da Torre, e com isso atrairão um fluxo de 40 mil pessoas por dia para o interior da praça. Nossa área verde se transformará em simples passagem, como já ocorreu em outras praças da cidade — reclamou.
Na avaliação do engenheiro Roberto Kauffman, integrante do grupo, o ideal é que as saídas da estação fiquem localizadas na Rua Visconde de Pirajá, entre as ruas Maria Quitéria e Garcia D’Ávila, e entre a Joana Angélica e a Vinicius de Moraes. Nesses dois trechos, disse, as calçadas são bastante largas, o que daria conforto aos usuários do metrô.
O arquiteto e historiador Nireu Cavalcanti também defendeu a praça e disse lamentar que a área de lazer, criada no início do século 20, corra o risco de ser destombada.
— Aquela praça é o único espaço verde de Ipanema. Estamos vivendo um momento em que a questão da vegetação é fundamental, para que se crie um mínimo de ambiente diante da verticalização que o Rio sofre. Ipanema era um bairro constituído de casas com jardins, mas o poder público permitiu que a vegetação fosse substituída pelo concreto — observou.
Através de sua assessoria, o subsecretario municipal de Patrimônio, Washington Fajardo, negou que a votação pelo destombamento estivesse na pauta desta quinta-feira. Fajardo faz parte do conselho.



Um comentário:

Hélio Bandeira disse...

Os moradores de Ipanema não são preconceituosos como os moradores do bairro nobre de Higienópolis, de São Paulo. Inclusive estamos propondo a estação no quarteirão seguinte, para poupar a Praça. Logo, não somos contra a vinda de pessoas de bairros distantes. Isto que disseram é uma calúnia e difamação. Somos apenas contra a destruição da Praça.

Não existe necessidade de uma plataforma grande na N.Sra. da Paz. Isto talvez tenha sido necessário na Gal. Osório, pois a estação é embaixo do morro e abriram três saídas, inclusive para Copacabana. Na Gal. Osório existe apenas rocha bruta sobre a estação, e não uma grande Praça (que é quase um parque). E para que lojas no subsolo? Para adensar ainda mais o bairro? A área de Ipanema e Leblon foram consideradas oficialmente, pela própria Prefeitura, áreas que não devem crescer mais do que já estão, para não adensar as mesmas. E que espécie de Prefeito é este que um dia reclama que a cidade tem excesso de concreto e no dia seguinte é favorável à destruição da Praça?

O metrô e a estação no bairro do Catete passa exatamente por baixo da Rua do Catete, e as escadas de saída e acesso para a rua ficam nas calçadas da Rua do Catete. Se os governantes insistirem na idéia de prolongar a linha do metrô em Ipanema, poderiam fazer a estação com as escadas de acesso nas calçadas da Visconde de Pirajá (entre as ruas Mª Quitéria e Garcia D'Ávila), que inclusive são mais largas e mais espaçosas que no Catete, e a própria Visconde é bem mais larga - logo, cabe os trilhos do trem, as plataformas de embarque, as bilheterias e escadas apenas na Visconde de Pirajá, sem necessidade de destruir a Praça N.Sra. da Paz. Qurem fechar e cortar centenas de árvores da Praça toda apenas para que ela se transforme num espaço para espalhar e estacionar máquinas, tratores, caminhões, material de obra. Porque não usam outro local para estacionamento e máquinas e estocagem de material? Quando as pessoas pensam, raciocinam, encontram uma solução alternativa. E o governo ainda alega que menos de 5% da Praça seria usada para o metrô - uma mentira!

E porque o governo não divulga o projeto da estação na Praça? Por que está escondendo? Querem o metrô para as Olimpíadas, estão embromando, para depois dizer: "Agora necessitamos construir em caráter de urgência e não podemos mais debater o assunto - vamos construir na Praça mesmo".