ANCELMO .COM


Enviado por Ana Paula Romeiro e Ignez Barreto - 
29.10.2012
 | 
17h19m
OPINIÃO

Metrô em Ipanema: diálogo governo-sociedade fora dos trilhos

Por Ana Paula Romeiro e Ignez Barreto*
Muito se tem falado sobre a construção da estação de metrô Nossa Senhora da Paz. A população se organizou e se manifestou de forma pacífica, tem mais de 20.000 assinaturas pela preservação deste espaço, de suas árvores centenárias, não partidarizou a luta, não se posicionou contra a estação e tem propostas viáveis e factíveis para a obra.
É possível fazer a obra pelo método subterrâneo, que não atinge a superfície do terreno, preservando integralmente o ambiente, sem necessidade de se mexer em uma única árvore, sem fechamento da praça para a população, barulho ou poeira. Tudo isso já é bem conhecido de todos. O que nos choca, e é o assunto que abordamos neste momento é o fato de o governo do estado e a prefeitura, esta responsável pela tutela do bem tombado, ignorarem completamente todas as manifestações da sociedade, todas suas tentativas de diálogo e de discussão a respeito de uma obra que vai afetar profundamente a vida de todos os moradores, frequentadores e até mesmo turistas de Ipanema.
Até o momento (semana passada) as obras estão anunciadas para começar de imediato** não se fez uma única audiência pública, reunião ou qualquer encontro entre os responsáveis pela obra e a população. O Projeto de Segurança de Ipanema já enviou diversas correspondências à Casa Civil do governo do estado, ao prefeito, ao Conselho Cultural de Preservação do Patrimônio Cultural da Cidade do Rio de Janeiro, apresentando as nossas propostas e sugestões, convidando-os para virem ao bairro conversar com a população. Nem uma palavra de resposta. A sensação é de estarmos batendo contra uma parede de concreto!
É com sentimento de tristeza e frustração que a sociedade se depara com este quadro. A democracia se sustenta justamente nesta simbiose entre a sociedade e os governantes elegidos por ela. A cobrança e a pressão são instrumentos válidos e preciosos que dão vitalidade a este processo. Mas para que esta dinâmica ocorra é necessário que por seu lado a sociedade participe – o que está acontecendo, e por outro que o poder público tenha em contra partida apreço e devida atenção aos movimentos e reivindicações da mesma.
A sociedade tem exercido à exaustão a sua cidadania, oferecendo soluções viáveis e factíveis, buscando de todas as formas possíveis o diálogo com o poder público. Infelizmente, a recusa deste em ser acessível à comunidade leva a todos um prejuízo, muito mais profundo, que é a perda do patrimônio e da memória de nossa cidade – o que já é em si é um custo altíssimo – que é o esgarçar do próprio tecido democrático, o descrédito nas instituições e seus dirigentes.
É vexatório! Só nas ditaduras e que se exerce o poder desta forma – rolo compressor sobre a vontade da população!*Ana Paula Romeiro é jornalista e voluntária do Projeto de Segurança de Ipanema; Ignez Barretto é coordenadora do Projeto de Segurança de Ipanema
** A Justiça concedeu liminar suspendendo as obras do metrô.

Um comentário:

Hélio Bandeira disse...

Os moradores de Ipanema não são preconceituosos com os moradores de bairros distantes e da Baixada, conforme acusaram algumas pessoas. Não são apenas pessoas pobres que utilizam o metrô. Muitos moradores de Ipanema, inclusive de terno e gravata, pessoas de classe média, de bom nível sócio-cultural, também utilizam o metrô e ônibus: isto é uma verdade e todos sabem disto.

Somos a favor do metrô no bairro. Devemos conciliar, de forma amistosa, os dois lados da questão: a necessidade de se construir o metrô com a necessidade de se preservar o agradável e tranquilo espaço de lazer para crianças, idosos e pessoas de todas as idades. Quando falamos em evitar a circulação de milhares de usuários do metrô, por dia, dentro da Praça N. Sra. da Paz, nos referimos a todos os usuários, incluindo os próprios moradores de Ipanema a que me referi acima. Caso contrário, a Praça se tornaria tão movimentada e agitada como as calçadas da Rua Visconde de Pirajá, a principal do bairro, e que é utilizada também pelos próprios pedestres moradores do bairro.

Todos nós, em qualquer um dos bairros da cidade, seja na Zona Sul, seja na Zona Norte, seja na Baixada, sentem falta de um lugar de lazer e descanso tranquilo para suas crianças, idosos e pessoas de qualquer idade. Ruim mesmo é ter que confinar estas pessoas de nossas famílias em um play-ground fechado dentro de um condomínio, como os que estão construindo atualmente em vários bairros. Ideal seria que todos os bairros da cidade tivessem uma Praça como esta.

A Praça N. Sra. da Paz é aberta a todos os moradores de todos os bairros da cidade. As pessoas que vêm de metrô e ônibus para Ipanema são bem-vindas a desfrutar da mesma. Apenas estamos propondo a estação fora da Praça, para evitar que se transforme numa imensa calçada agitada, com pessoas indo e vindo apressadas.

Abraços,

Hélio Bandeira