METRÔ

O que é Ipanema?
segundo morador :

Quando vim morar em Ipanema, depois que me casei em maio 2005,
não encontrei no Bairro nenhuma Associação de Moradores que pudesse fazer reclamações ou até mesmo participar.
Na época, nem  mesmo saberia dizer se existia alguma organização.
Tempos depois fiquei sabendo de uma legenda -  PSI, e nesse grupo tinha como referência alguns conhecidos,
mas me parecia um projeto voltado apenas para a parte de segurança e comercio. 

Dentre tantos problemas do bairro, surge um grande desafio, no momento da mortandade de
todas as Cácias da Rua Barão da torre (2008)
Como morador dessa rua não poderia deixar de me envolver.
Desenvolvi o Blog Amigos de Ipanema, distribui impressos, mobilizei a mídia, convoquei especialistas, ministros e secretários, sempre
apoiado por moradores que preferiam não "dar as caras", esse é o jeitão da burguesia. Mas recebi muita ajuda, afinal de contas a causa era nobre.
Descobri também que nem todos gostam de árvores.

Foi por essa situação que alem das pessoas dispostas a tentar lutar pelo entendimento da causa e pelo replantio de toda a rua,
foi na etapa final de todo o processo, que surgiu a AMIPANEMA, com o proposito de trazer a atuação um entendimento com prefeitura e etc.
E toda a ajuda é sempre bem vinda.

Ter uma Associação de Moradores presencial é muito importante para um bairro,
e fui convidado para completar o quadro de colaboradores da recém conhecida Associação.
O tempo passa e os assuntos particulares e individuais nos dominam a ponto de interesses públicos e coletivos
ficarem em segundo plano e assim não participei tanto da Amipanema.

Como diz um diretor de uma multinacional que tb não vou citar o nome:
- O Brasil é o único lugar do mundo onde fazer as coisas individualmente, por conta própria,
e mais fácil e mais barato do que quando coletivamente.

Hoje quando leio uma noticia dessa envolvendo a Associação de moradores (não importa qual seja, de Ipanema ou Madureira)
Que tenta justificar um episódio, onde, mesmo se não houvesse a manifestação replicada (me refiro aos abaixo assinados),
e se coloca como VOZ de Ipanema e de todos os moradores,
favorável a uma obra (intervenção imposta) onde o diálogo nitidamente e comprovadamente nunca existiu,

é simplesmente irreconhecível e cabuloso!!

Um comentário:

Hélio Bandeira disse...

Os moradores de Ipanema não são preconceituosos com os moradores de bairros distantes e da Baixada, conforme acusaram algumas pessoas. Não são apenas pessoas pobres que utilizam o metrô. Muitos moradores de Ipanema, inclusive de terno e gravata, pessoas de classe média, de bom nível sócio-cultural, também utilizam o metrô e ônibus: isto é uma verdade e todos sabem disto.

Somos a favor do metrô no bairro. Devemos conciliar, de forma amistosa, os dois lados da questão: a necessidade de se construir o metrô com a necessidade de se preservar o agradável e tranquilo espaço de lazer para crianças, idosos e pessoas de todas as idades. Quando falamos em evitar a circulação de milhares de usuários do metrô, por dia, dentro da Praça N. Sra. da Paz, nos referimos a todos os usuários, incluindo os próprios moradores de Ipanema a que me referi acima. Caso contrário, a Praça se tornaria tão movimentada e agitada como as calçadas da Rua Visconde de Pirajá, a principal do bairro, e que é utilizada também pelos próprios pedestres moradores do bairro.

Todos nós, em qualquer um dos bairros da cidade, seja na Zona Sul, seja na Zona Norte, seja na Baixada, sentem falta de um lugar de lazer e descanso tranquilo para suas crianças, idosos e pessoas de qualquer idade. Ruim mesmo é ter que confinar estas pessoas de nossas famílias em um play-ground fechado dentro de um condomínio, como os que estão construindo atualmente em vários bairros. Ideal seria que todos os bairros da cidade tivessem uma Praça como esta.

A Praça N. Sra. da Paz é aberta a todos os moradores de todos os bairros da cidade. As pessoas que vêm de metrô e ônibus para Ipanema são bem-vindas a desfrutar da mesma. Apenas estamos propondo a estação fora da Praça, para evitar que se transforme numa imensa calçada agitada, com pessoas indo e vindo apressadas.

Hélio Bandeira