PRAIA DO DIABO


Os Flintstones da Praia do Diabo

  • Eles malham pesado na academia ao ar livre para fazer bonito no verão em que a modelo Duda Cavalcanti, ícone da Ipanema dos anos 60, também aposta no Leblon



Malhadores. Vinicius Crecca e João Paulo levantam peso na Academia Flintstone, na Praia do Diabo
Foto: Marcos Ramos / O Globo
Malhadores. Vinicius Crecca e João Paulo levantam peso na Academia Flintstone, na Praia do Diabo Marcos Ramos / O Globo
RIO - Pedro Paulo dos Santos é o “chefe" da academia ao ar livre da Praia do Diabo, a Academia Pedra do Arpoador, conta a coluna “Gente Boa”, de Joaquim Ferreira dos Santos. Com 51 anos, ele malha lá desde os 17.
- Era diferente. Só tinham as paralelas e as barras.
Quatro anos atrás, o espaço mudou a cara e ganhou halteres de pedra e cimento para malhar feitos por Pedro Paulo. O local é conhecido como Academia Flintstone.
- Uso os potes de padaria para manteiga e para sorvete como molde e misturo cimento e areia para fazer os pesos - conta o morador do Cantagalo. - Faço pesos para todos, crianças e velhos, e até de 80 quilos para malhadores mesmo.
Para fazer parte da academia não é preciso mensalidade nem termos de uso.
- Sempre peço para o pessoal não jogar pesos no chão para não quebrarem e oriento quando vejo que alguém está fazendo o exercício de forma errada.
Onda do verão de 1960
Quem quiser sentir uma onda do verão do início dos anos 60 deve ir ao Miranda, dia 24. Marcos Valle, compositor do clássico “Samba de verão” (”Ela vem, sempre tem, esse mar no olhar”) faz show e entre os convidados apresenta Carlinhos Lyra, autor do igualmente clássico “Vamos carioca, sai do teu sono devagar”.
Cangas de Romero Britto em alta
As cangas com estampas não oficiais de Romero Britto, um artista que já é polêmico mesmo quando se trata de obras oficiais, estão em alta entre os turistas. Aline Leão veio de Belém e se encantou com as peças. Perguntou quanto era e, na hora de pagar, descobriu que sairia R$ 5 mais cara.
- Essa é estampa nova, tem Iemanjá.
Em tempo: a variação de preço fica entre R$ 20 e R$ 40, dependendo do trecho. Quanto mais perto da pedra do Arpoador, mais barato fica.
Variedade de peixes
- A partir de dezembro, a variedade de peixes aumenta muito na pedra do Leme - diz o pescador Herculano Santos Neto. - Dá anchoveta, xerelete, sardinha boa, que a gente chama de maromba... À noite, os peixes mudam. Tem olho de cão, lula.
Herculano é conhecido na área como “Professor Pardal”, pois faz as próprias iscas.
- São personalizadas. A minha isca ‘colher’ se movimenta como se fosse uma sardinha doente e brilha na água.
Dinossauros
Do casal Carlos Leonam e Duda Cavalcanti, ícones de Ipanema nos anos 60, sobre a página de Gente Boa exaltando o Posto 12:
- Nós, ‘dinossauros sobreviventes de Ipanema’ também estamos no Leblon. É onde resiste um clima ipanemenho dos tempos gloriosos.



Nenhum comentário: